Notícias › 10/04/2018

Igreja necessita de sacerdotes simples, humildes e dóceis ao Espírito

Depois de reunir-se com os Missionários da Misericórdia, o Papa Francisco celebrou uma Missa na Basílica de São Pedro, na qual concelebraram 550 missionários que estão em Roma, provenientes dos cinco continentes, e os convidou a ser “simples” e “humildes”.

Em sua homilia, o Santo Padre pediu “sacerdotes normais, simples, humildes, equilibrados, mas capazes de deixarem-se constantemente regenerar pelo Espírito, dóceis à sua força, interiormente livres – antes de tudo de si mesmos – porque movidos pelo “vento” do Espírito que sopra onde quer”.

Além disso, falou do serviço às pessoas e o serviço às comunidades. E para isso, o sacerdote deve nascer do alto, porque se não corre o risco de se tornar como Nicodemos, que mesmo sendo mestre em Israel, não entendia as palavras de Jesus, quando dizia que para “ver o reino de Deus” é necessário “nascer do alto”.

“Nicodemos não entendia a lógica de Deus, que é a lógica da graça, da misericórdia, segundo a qual quem se faz pequeno torna-se grande, quem é o último torna-se o primeiro, quem se reconhece doente é curado”, disse o Papa.

A segunda indicação do Pontífice aos Missionários da Misericórdia foi o serviço à comunidade. Ser sacerdotes “capazes de elevar no deserto do mundo o sinal da salvação, ou seja, a Cruz de Cristo, como fonte de conversão e de renovação para toda a comunidade e para o próprio mundo”.

“O Senhor morto e ressuscitado é a força que cria a comunhão na Igreja e, através da Igreja e, por meio da Igreja, em toda a humanidade”, acrescentou.

Em seguida, o Bispo de Roma falou da comunhão entre os cristãos e como faziam as primeiras comunidades cristãs. “Era uma comunhão que fez partilha concreta de bens”. “Mas esse estilo de vida da comunidade era também contagioso para o exterior: a presença viva do Senhor ressuscitado produz uma força de atração que, por meio do testemunho da Igreja e por meio das diversas formas de proclamação da Boa Nova, tende a atingir a todos, ninguém excluído”.

Por último, manifestou que “t anto a Igreja quanto o mundo de hoje têm particularmente uma necessidade da Misericórdia, para que a unidade desejada por Deus em Cristo, prevaleça sobre a ação negativa do maligno, que se aproveita de muitos meios atuais, em si bons, mas que mal utilizados, ao invés de unir, dividem”.

Por ACI Digital

Print This Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comunidade Católica Mar a Dentro – Discípulos e Ministros da Obediência e da Paz
E-mail: maradentro@maradentro.com.br ✺ Tel: (+ 55) 17 – 3222-4436

Copyright 2018 © Todos os direitos reservados