Comunidade Católica Mar a Dentro

Desabrigados recebem ajuda da Igreja no Rio de Janeiro

DSC_0279_14052014184152Nas últimas semanas, a Arquidiocese do Rio tem assumido muito mais do que o papel de mediadora das famílias desalojadas do prédio da Oi/Telerj junto ao poder público na resolução do seu problema de moradia. A acolhida das famílias na quadra da Paróquia Nossa Senhora do Loreto, na Ilha do Governador, no início de maio, foi o começo de um trabalho de promoção da dignidade e da cidadania que a Igreja tem se dedicado sem medidas.

Além do acompanhamento espiritual e de receber alimentos e materiais de necessidade básica, as famílias receberam atendimento jurídico e de saúde durante esta semana.

“A gente quer que eles sejam bem atendidos, conforme sempre pediu o nosso arcebispo, Dom Orani. A Igreja, desde a sua origem, vai ao encontro das pessoas, sem fazer acepção de ninguém, e isso que é bonito. Hoje percebemos que o próprio grupo está mais sereno, mais tranqüilo”, afirmou Dom Roberto Lopes, vigário episcopal para a Vida Consagrada e membro da comissão formada pela arquidiocese para acompanhar o caso.

A Clínica da Família Assis Valente, da Ilha do Governador, foi responsável pelo atendimento de saúde todos os dias no local. No dia 12 de maio, eles tiveram atendimento médico e de enfermaria. No dia seguinte, o atendimento de promoção de saúde bucal e do grupo educativo em busca de sintomático respiratório foi comprometido pela paralisação dos rodoviários do município. Na tarde desta quarta-feira (14), forami aplicadas as vacinas contra gripe, tétano e hepatite. A quinta-feira, dia 15, será dedicada à promoção de saúde bucal e de um teste rápido de diagnóstico de HIV e sífilis. Na sexta, está previsto novamente atendimento médico e de enfermaria.

A ação social dos últimos dias também buscou auxiliar os acolhidos com a emissão de documentos, como registros de nascimento, RG, CPF, Carteira de Trabalho e Título de Eleitor, além de atendimento jurídico.

“Há muitas pessoas que estão sem documentos, e por isso, sem trabalhar. Então, tivemos reunião com objetivo de buscarmos soluções para esses problemas. Enquanto estamos aguardando a resposta da prefeitura, a Igreja tem dado não só a mão, mas o braço e o corpo inteiro para nossa comunidade”, testemunhou Luis Fabrício Santos da Cruz, um dos membros da comissão formada pelos desalojados.

As nossas irmãs da Comunidade Mar a Dentro  estão participando como voluntárias para ajudar essas famílias: “Estamos atendendo o pedido de Dom Orani, acompanhando as famílias desabrigadas, através de um revezamento, no qual nos colocamos em escuta dos desabrigados, e junto com eles em oração, ao mesmo tempo que outras iniciativas sociais também são tomadas, como organização de documentos para possíveis empregos, negociação com o governo para o acesso a moradia, etc, é o testemunho que nos deixou Morgana Colombo Nadin, Superiora da nossa Missão no Rio de Janeiro.

Fontes: arqrio.org e Comunidade Mar a Dentro

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

maradentro@maradentro.com.br

(+55) 17 3222-4436

Newsletter

Receba as notícias no seu e-mail